Notas Inúteis


Gatos roubam o sono da vizinhança

No bairro do Siqueira, em Fortaleza, os moradores organizaram uma marcha até o Centro de Zoonoses do Henrique Jorge, em sinal de protesto contra uma gangue de gatos que vem incomodando a noite da população do bairro. Segundo a liderança do protesto, o bando de felinos é formado por um total de mais de 15 animais, que se reúnem toda noite para uma verdadeira algazarra nos telhados das casas. Brigas e muito barulho têm roubado o sono de pessoas que já tentaram de várias formas acabar com o tumulto noturno. “Agente acorda cedo pra trabalhar, mas não consegue dormir direito por causa desses gatos. É barulho demais. To cansado de ouvir eles brigando por cima das telhas e se tacando ai no chão” Disse um morador. Muitos dos animais, supostamente pertencentes ao bando, apareceram mortos nas últimas semanas, vítimas de envenenamento. A liderança do protesto afirma que nenhum dos manifestantes está envolvido com o incidente, entretanto pede uma atitude das autoridades veterinárias com relação ao transtorno causado pelos gatos. O diretor do centro, Dr. Caio Leão da Rocha, afirmou que o trabalho será iniciado imediatamente, apesar dos problemas para o sucesso da operação, que segundo ele depende dos próprios moradores, já que nem todos os gatos são animais de rua. “o gato é um animal de vida noturna, mesmo ele tendo um dono, que lhe dá água e comida, ele sai de casa sozinho e se junta com outros na rua” disse Dr. Caio.

Se eu não recebo, não trabalho

O Auxiliar de Escritório Gilvandro dos Santos, 25 anos, anunciou a greve no início dessa manhã quando foi informado de que seu pagamento, atrasado desde o dia 05 de agosto, deveria atrasar mais uma semana. Indignado, Gilvandro resolveu entrar em greve. O curioso é que ele é o único funcionário da empresa BI-VE-SA Comercial Ltda., aonde trabalha há quase 3 anos. "Todo santo mês é a mesma coisa, eu só recebo atrasado, é 5 dias, é 10 dias não importa. mês passado eu recebi com vinte dias de atraso. Eu não agüento mais" disse Gilvandro revoltado. O funcionário exige uma compensação por conta dos constantes atrasos salariais, que deverá ser calculada com base nos juros e multas das dívidas assumidas pelo jovem, como cartão de crédito, financiamentos, fornecimento de Água e Luz. Ele pede também a determinação imediata de suas férias, que deveriam ser dadas ao mesmo até julho de 2007, data em que se esgotaria o prazo máximo de 12 meses após a conquista do direito das férias, que se deu em julho de 2006, e a remuneração referente às férias concedidas após esse prazo, conforme observações abaixo:

[NOTE 1] Após 12 meses de trabalho o sujeito tem direito a 30 dias de férias imediatamente. Porém, PORÉM, o patrão tem mais 12 meses pra lhe conceder as férias – Artigo 134, da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

[NOTE 2] Se o patrão conceder as férias ao funcionário após o período mencionado no NOTE 1, ele deverá pagar o dobro da remuneração – Artigo 137, da CLT.

[NOTE 3] Para maiores esclarecimentos visite:

http://www.trt02.gov.br/geral/tribunal2/legis/CLT/INDICE.html




3 comentários:

argh, lemòn disse...

Causa ganha, mas esse lance dos juros sincronizados eu acho difícil rolar. Sacolé: CABE RECURSO.

Cissa Teixeira Oliveira disse...

A foto dos gatinhos é uma gracinha... Mas trabalhador só se f... mesmo, né?!

Carlos Filho disse...

Primeiro caso:
As pessoas já não sabem o prazer de caçar um felino. Envenenar não tem graça!

Caso 2:
Ainda bem que é lei...ainda bem que no Brasil a lei é respeitada..hehehehe